Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Fragrâncias

Perfumes, Práticas e Discursos

Fragrâncias

Perfumes, Práticas e Discursos

EM BUSCA DE AROMAS E SABORES

 

 

 A (RE)DESCOBRIR

 

 

 

Viu o filme “O Perfume”? “ Leu o livro "O Perfume…?”  

 

Perguntas que me são postos quando alguém descobre a minha "paixão" por Óleos Essenciais e Fragrâncias.

 

Referem-se, como é lógico, ao filme “Perfume: Story of a Murderer"  (2006) e ao livro que lhe serviu de inspiração, “O Perfume” de Patrick Suskind (1985).

 

Sim. Li e vi o filme. Não fiquei apaixonada... os métodos de Jean-Baptiste Grenouille, interpretado por Ben Whishaw, são os de um criminoso na busca obsessiva do "aroma ideal"... Complexo. Violento, por vezes.

 

Não vou falar do livro que, por certo, todos conhecem.

 

Há muito tempo que tinha uma "coisa em mente": ver ou rever alguns dos locais onde o filme tinha sido rodado - França e Espanha, em particular..

   

Devo dizer que as ambiências foram estudadas com um grande rigor histórico. O século XVIII está ali, sem dúvida. "Sente-se". "Respira-se".

 

A oportunidade surgiu e parti à descoberta.

 

O primeiro local revisitado foi a cidade de Girona. Dela não vou falar hoje... Não me perguntem porquê. Não sei, sinceramente.

 

O segundo local, foi Besalú.

Pequeno “pueblo”  medieval  situado na confluência de dois cursos de água -  Capellada e Fluvia – e que, entre 1017 e 1020, foi um condado independente devido à sua situação estratégica, forte economia e cultura.

 

.Pont Vel

E, por Besalú, me fiquei uns dias, tendo como base El Jardins de la Martana, um hotel situado a dois passos da Pont Vell.

O nome do hotel não podia ser mais adequado: árvores centenárias, flores várias, sombras acolhedoras distribuídas por vários socalcos e…em frente Besalú com a sua ponte, o seu casario de traça medieval, as torres que anunciam a presença de antigos e variados cultos religiosos que, por ali, se foram sucedendo, ou coahitando, ao longo dos séculos.

 

Atravessar a Pont Vell (uma das imagens visíveis no filme) é como entrar num espaço mágico, em que as nuances de verde se revelam, a água do rio saltita, "cantando" de pedra em pedra, o aroma dos gerânios se casa com o das rosas e do jasmim.

 

O meu primeiro objectivo ou intenção, ao chegar, era rever a Praça de Sant Pere, com a sua catedral, o Museu das Miniaturas, as esplanadas que convidam a parar no tempo, a beber uma água ou uma tisana, a fazer uma refeição frugal ou gourmet, a respirar o ar não poluido. Em suma, a estar num "dolce fare niente".

 

Intenção não cumprida.

Deixei-me deambular pelas ruas estreitas, pelas escadas que levam ao desconhecido, e dei de frente com o Hospital de Sant Julia, cuja fachada “fala” se a desejarmos “ouvir”. Os símbolos de protecção estão lá, rematando colunas e capitéis. Olhando-nos.

 

 

Mais uma ruela estreita, mais uma escada, e outra e outra.

 

A curiosidade acaba por me levar junto ao rio onde os patos se passeiam, as crianças brincam e os turistas procuram as melhores imagens da ponte romana, neste Verão quente de São Martinho.

Por ali me fico. Quieta. Atenta aos sons e aromas.

 

O Sol começa a esconder-se, a temperatura vai pedir um agasalho.

 

Subo até ao centro do “pueblo” para me reencontrar com a Igreja de Sant Pere antes de regressar aos Jardins de La Martana.

Muita gente. Muita máquina fotográfica que procura fixar a imagem duma igreja que, no século XII, era considerada como um dos mais importantes monumentos de arte romana na Catalunha.

Uma obra austera, com detalhes a reter, como os dois leões que parecem "guardar" a fachada principal. O acesso ao interior está vedado. Fico-me pela portada em vidro que deixa vislumbrar o seu interior simples, de uma beleza profunda que, deveria e deve, convidar ao recolhimento.

 

   Às 17H30 é quase noite.

Amanhã regressarei para visitar o Museu das Miniaturas, a Casa de San Font, a Sinagoga, o Palau da Cúria Reial, o Portal de La Força..., antes de rumar a Tortellà.

 

A noite em Besalú é calma. A iluminação das ruas e monumentos é perfeita o que lhe confere um certo romantismo, um pouco de magia que convida ao sonho. Quem sabe, também por isso, se passeiam por ali muito casais com mamnifestos gestos de cumplicidade e ternura. 

 

Descobrir um restaurante para jantar não foi complicado. Há vários de qualidade inquestionável. Optei pelo restaurante "Pont Vell", com uma vista soberba sobre o rio e a ponte que lhe dá o nome. Ali podem descobrir-se as delícias da gastronomia catalã, que se adaptam, sabiamente, aos produtos sazonais. A variedade é enorme, os aromas e sabores deliciosos, a simpatia e atenção fizeram-me sentir "em casa". Bacalhau, foi o prato escolhido. Delicioso.

 

Até amanhã, Queridos Amigos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.